RESENHA DE FILME: Gente de Sorte (The Lucky Ones) - 2008

Título Original: The Lucky Ones / País de Origem: Estados Unidos / Ano de Lançamento: 2008 / Elenco: Rachel McAdams, Michael Peña, Tim Robbins / Sinopse: Após se ferir, o sargento TK Poole ganha permissão para férias de um mês com sua amada. Mas os vôos do aeroporto são suspensos e TK decide viajar pela estrada junto a Cheaver e Colee, dois soldados que também ficaram sem avião.

De uns tempos pra cá, venho admirando - e muito - o trabalho da atriz canadense Rachel McAdams. Para quem não conhece de nome, com certeza já a viu em filmes de grande sucesso como Diário de Uma Paixão (The Notebook) e Meninas Malvadas (Mean Girls) ao lado de Lindsay Lohan e, recentemente, em Sherlock Holmes, como Irene Adler. Enfim, quando eu encasqueto com alguma coisa, ou alguém, fico pesquisando tudo a respeito. No caso da Rachel, tenho procurado assistir a todos os filmes em que ela atuou e o último que assisti foi Gente de Sorte (The Lucky Ones).

Já digo, de antemão, que Gente de Sorte realmente não é um filme de grande destaque e nem pode ser considerado uma obra-prima se comparado a vários outros do gênero. Mas, por ter um roteiro sensível, comovente e cômico em vários momentos, é um excelente passatempo que ensina uma boa moral. A trama gira em torno de três soldados do Exército - Colee (Rachel McAdams), TK (Michael Peña) e Cheever (Tim Robbins) - que conseguem licença e estão voltando para a casa depois de sofrerem ferimentos na Guerra do Iraque. No aeroporto, devido a um apagão, eles descobrem que não há mais voos programados e se obrigam a alugar um carro. Nesse retorno, descobrem que a vida de cada um deles acabou prosseguindo, deixando-os para trás. Então, juntos, decidem fazer uma viagem através dos Estados Unidos. Cada um tem uma missão: Colee pretende devolver o violão para a família de seu namorado, morto em combate, uma vez que ele salvou sua vida; TK procura conquistar confiança em si mesmo para encarar a esposa diante de sua impotência sexual; Cheever, um homem de meia-idade, quer tentar a sorte nos cassinos para ganhar dinheiro e poder custear os estudos do filho. No decorrer do filme, muitas coisas acontecem. O tema central é a fraternidade e em como as pessoas têm que lidar com as diferenças umas das outras para manterem uma boa relação.

No mais, para mim, esse é daqueles filmes que se tivesse seis horas de duração, eu ficaria as seis horas assistindo e querendo mais. A naturalidade com que os atores desempenham seus papeis é incrível e te deixa entretido do início ao fim.

Nota Final: ★★★★ (4/5)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESENHA DE FILME: Um Amor Para Recordar (A Walk To Remember) - 2002

Dançando na Chuva

Sempre chega a hora