O Oposto da Razão


Permaneço inerte, solitário,
Diante do que me desgasta
Indiferente, no olhar da quietude
Que, há muito, não sentia

O vento que passa por mim
Leva e traz perspectivas
Selvagem, no ruir da sensatez
Que, de mim, fora roubada

Permaneço inerte, isolado,
Diante do caminho disposto
Silencioso, no agir da incerteza
Escolho o oposto da minha razão.

-- Diego

Um comentário:

  1. "Escolho o oposto da minha razão"

    Escolho sempre o coração, mesmo que ele me faça permanecer inerte e isolado


    Lindo texto Dí =]
    Alma de poeta!

    ResponderExcluir

Instagram