Vida sem sonhos


Já procurei disfarçar sonhos dentro de mim, fechando meu mundo particular, trancando as portas e vedando as janelas. Já lutei contra devaneios e desejos do meu coração. Ignorei o fato de que eu posso sonhar e voar. Por muito tempo, procurei manter os pés no chão, para não perder o fôlego e cair.

Mas esqueci que, no chão onde eu achava que podia caminhar seguro, existem pedras traiçoeiras que me fazem tropeçar e, sem piedade, me derrubam parecendo vibrar com as minhas quedas. Eu levantava, os joelhos machucados, mas sempre havia uma outra, com o mesmo propósito.

Foi quando eu desisti de caminhar. Me sentei no chão e comecei a chorar. Eu perguntava para mim mesmo: "qual o propósito de existir se não posso sonhar sem me arriscar?". Essa e outras perguntas se embaraçavam em minha mente e, como não havia respostas, eu chorava cada vez mais.

Cheguei, por fim, a uma conclusão. É mais fácil voar sonhando, onde a única barreira é o vento que, muitas vezes, te ajuda a bater as asas com mais força ou é mais fácil caminhar errante, no chão, sem ideais, sem sonhos, tropeçando nas pedras inertes do caminho?

Concluí que uma vida sem sonhos é como um dia sem sol, é como uma terra seca, uma manhã sem orvalho, uma flor sem perfume e cheia de espinhos. Uma vida sem sonhos, não é vida.

Sonhar alto. Voar, conduzidos pelos nossos sonhos. É a única coisa que nos mantém vivos, com fé. Pense nisso.

"Uma vida não basta para ser vivida. Ela precisa ser sonhada."
(Mário Quintana)

Por Diego Dittrich

Comentários

  1. Precisamos sempre de sonhos para nos manter vivos... mas saiba que chega uma hora que os sonhos têm que morrer para que a realidade possa nascer!

    ResponderExcluir
  2. Precisamos sempre de sonhos para nos manter vivos... mas saiba que chega uma hora que os sonhos têm que morrer para que a realidade possa nascer!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESENHA DE FILME: Um Amor Para Recordar (A Walk To Remember) - 2002

Dançando na Chuva

Sempre chega a hora