Relento


Enquanto a noite passa,
as memórias não perdidas
enfastiam o intelecto
que jaz dentro do silêncio
de alguém que tanto errou...
Amanhece o dia sem saber
por onde andou a minha alma...
Refletindo dentre as sombras
do que outrora era cintilante...
É dura a estadia no peito
de uma dor que não cessa
certeiro no âmago do meu ser...
O doce amargo na garganta
se embaraça com o tom da voz...
Meus olhos ainda perseguem
os vãos deste aposento
na tentativa frustrante
de me arrebatar do relento...

Diego Dittrich

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

RESENHA DE FILME: Um Amor Para Recordar (A Walk To Remember) - 2002

Dançando na Chuva

Sempre chega a hora